Campanha doará absorventes para mulheres em situação de vulnerabilidade em Teresina

Promover a distribuição de absorventes para meninas e mulheres em situação de vulnerabilidade em Teresina. Este é o objetivo da campanha idealizada pela grupo denominado “Girl Up The”, formado por 27 voluntárias, que estão movimentando doações em dinheiro para garantir o acesso a absorventes às mulheres que não podem comprar o produto na capital.

A campanha, além de um Projeto de Lei redigido pelo grupo, contam com apoio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM). Para a gestora da SMPM, Macilane Gomes, é extremamente importante defender e apoiar essas iniciativas.

“Temos que dar força, incentivar e apoiar movimentos como esse. Além de ser nosso trabalho, é nosso dever encorajar essa luta, em especial dessa geração que vem surgindo, trazendo cada vez mais o fomento e promoção de políticas públicas para as mulheres”, afirma a secretária.

As arrecadações para a campanha iniciaram no mês de agosto e devem encerrar neste mês de setembro. As doações podem ser feitas através da conta bancária: Agência: 4708-2, Conta: 25.821-0, Banco do Brasil. Os absorventes adquiridos a partir do dinheiro das doações serão distribuídos para instituições carentes que atendem mulheres em Teresina.

De acordo com pesquisas levantadas por membros do “Girl Up The”, 23% das meninas de 15 a 17 anos não têm condições financeiras para comprar absorventes. Segundo a diretora do “Girl Up Teresina”, Amanda Rocha, o problema afeta a saúde das mulheres, pois muitas acabam desenvolvendo infecções ao usarem outros utensílios para conter o fluxo. Além disso, traz à tona outras desigualdades que muitas vezes não são discutidas.

“Muitas mulheres acabam não tendo dinheiro para comprar seus absorventes e isso só agravou na pandemia. É um item básico de higiene, e a falta dele traz vários problemas de saúde e higiene, além de causar também uma discrepância educacional e profissional. Temos relatos de mulheres que acabam faltando no trabalho ou na escola porque estão menstruadas”, relata Amanda Rocha.

A idealizadora da campanha, Amanda Rocha, enfatizou ainda a importância do apoio da SMPM na campanha e nas demais demandas relacionadas ao projeto. “É bastante importante, pois vai possibilitar mais visibilidade para a campanha, para o Projeto de Lei e outras demandas, fazendo com que mais mulheres conheçam e tenham acesso. Nosso principal objetivo é ajudar as mulheres e contar com o apoio de instituições como essa só tem agregam à causa”, finaliza Amanda.

Projeto de lei

Recentemente, as colaboradoras do projeto redigiram um Projeto de Lei (PL) que propõe educação menstrual nas escolas e distribuição de absorventes gratuitos para mulheres em todo o Piauí, além de colocar o absorvente como item de primeira necessidade e incentivar microempreendedoras que fabricam absorventes, como isenção fiscal desses itens no Estado.

O PL está em tramitação na Assembleia Legislativa do Piauí e um abaixo assinado está em andamento solicitando sua aprovação. Link do abaixo assinado: https://www.change.org/p/assembleia-legislativa-do-piau%C3%AD-piauisensesmenstruam-erradique-a-pobreza-menstrual-no-piau%C3%AD?utm_content=cl_sharecopy_24510843_pt-BR%3A2&recruiter=1143966595&utm_source=share_petition&utm_medium=copylink&utm_campaign=share_petition&utm_term=share_petition

Alô Mulher Teresina apresenta aumento nos atendimentos do serviço de assistência social em dois meses

Alô Mulher Teresina apresenta aumento nos atendimentos do serviço de assistência social em dois meses

Com dois meses de funcionamento na capital, a plataforma Alô Mulher Teresina, que disponibiliza atendimentos na área de enfrentamento à violência, saúde mental, assistência social e protagonismo feminismo, contabilizou 282 atendimentos. Neste segundo mês, o serviço apresentou um aumento significativo nas solicitações por acompanhamentos na assistência social, comparado ao mês anterior, passando de 6 % para 15,6% das ligações recebidas.

Ao entrar em contato com a central telefônica e solicitar o atendimento na área da assistência social, as mulheres podem tirar dúvidas sobre programas sociais que estejam inseridas, como Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Cadastro Único, entre outros. Elas também são informadas sobre programas sociais do município que estão à disposição, como Amor de Tia, Mãe Teresinense e Criança Feliz.

Caso não solucione de imediato as solicitações, os atendentes direcionam a mulher para o Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), mais próximo da sua região, para oferecer todo o suporte necessário.

Mesmo com esse aumento de solicitações por atendimentos na área da assistência social, o ramal mais solicitado ainda continua sendo o de enfrentamento à violência, que no mês anterior foi de 51% e, atualmente, apresenta o percentual de 45,5%, seguido do serviço de saúde mental com 21,2%, e empreendedorismo feminino, com 18,09% das ligações recebidas.

Para a secretária Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Macilane Gomes, é perceptível o avanço gradual do serviço, não só do número de mulheres que estão acessando, mas do entendimento que a partir da central telefônica elas podem ter acesso a diferentes serviços.

“O Alô Mulher Teresina é uma ferramenta tecnológica que surge nesse contexto de pandemia e vem dando esse suporte às mulheres através do serviço. As mulheres entram em contato e conhecem os diferentes serviços que estão conectados, elas tiram dúvidas, acessam serviços, capacitações, são diferentes tipos de atendimentos. Estamos muito felizes com os resultados obtidos até agora e esperamos que a plataforma avance ainda mais”, destaca a secretária.

O serviço Alô Mulher Teresina foi criado pela Prefeitura de Teresina e é coordenado pela Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM).  Para se conectar com a central de atendimento, as mulheres devem ligar para o número 0800 033 0302. O atendimento é realizado das 8h às 20h, todos os dias, inclusive aos finais de semana.

Capacitação da 4ª turma de agentes que irão atuar na Guarda Maria da Penha*

Iniciou nesta segunda-feira (21), a capacitação da quarta turma de agentes da Guarda Civil Municipal (GCM) para atuação no atendimento às mulheres em situação de violência, acompanhadas pela Guarda Maria da Penha. O treinamento busca habilitar os agentes na atuação do enfrentamento à violência, trazendo discussões sobre gênero, Lei Maria da Penha, mecanismos de proteção a mulher, entre outros assuntos.

A capacitação esta sendo realizada no auditório da Secretaria Municipal de Administração (SEMA). Nesta quarta turma, serão capacitados em torno de 20 agentes municipais, ao longo de toda a semana, nos turnos manhã e tarde.

Mulheres do Amor de Tia Sudeste debatem sobre os desafios enfrentados durante o isolamento

“Os desafios da mulher durante o isolamento social”. Essa foi a temática da roda de conversa realizada na manhã desta segunda-feira (14) com as mulheres assistidas pelo Amor de Tia Sudeste. O objetivo do encontro era discutir os impactos do isolamento social, devido à pandemia do Coronavírus, na vida das mulheres, tendo em vista que os períodos de crise tendem a intensificar as desigualdades existentes dentro da sociedade, sejam de renda, etnia ou gênero.

“Percebemos que essas desigualdades se tornam mais latentes e fortes em período de crise. No caso das mulheres, a sobrecarga de trabalho se intensifica ainda mais, elas precisam assumir o controle da casa e das crianças, é uma dupla jornada. Sabemos que esses papéis não devem recair somente na mulher, por isso é importante entender o reconhecimento dessas desigualdades, esse é o primeiro passo para transformá-las”, explicou Caroline Leal, assistente social da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres.

Para a comerciante Íris de Abreu, mãe da pequena Iara de apenas dois anos, que é acompanhada pelo serviço desde março de 2020, a atividade funcionou como uma excelente forma de desabafo. “É sempre bom a gente conversar com outras pessoas, principalmente nesse período de pandemia, para sair também um pouco dessa rotina de isolamento e da sobrecarga de afazeres, o que não tem sido fácil”, relatou.

Já para a Ana Maria da Silva, que participa do serviço desde novembro de 2019, as rodas de conversa abrem muito a mente e funcionam como um espaço de acolhimento.  “Muitas vezes a gente não confia em conversar certos assuntos com algumas pessoas, mas aqui me sinto muito à vontade pra falar qualquer coisa, tenho total liberdade, e eu gosto muito. São momentos bastante esclarecedores e produtivos, que sempre faço questão de participar e aprender cada vez mais”, afirmou.

Amanhã (15), às 09h30, será realizada mais uma roda de conversa, com a mesma temática, na unidade do Amor de Tia da região Norte, localizado na Rua Antônio Pedro, bairro Matadouro. O Amor de Tia é um serviço vinculado à Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres, que atende mulheres em situação de vulnerabilidade ou violência em Teresina. Também são desenvolvidas atividades integrativas com crianças de 1 ano a 2 anos e nove meses.

Instituições de ensino superior recebem certificado do programa Laboratório Maria da Penha

A Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM) e o Núcleo das Promotorias de Justiça e Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (NUPEVID ), órgão do Ministério Público do Piauí (MP-PI), realizaram a entrega dos certificados às instituições de ensino superior que participaram do programa Laboratório Maria da Penha no ano de 2019.

O programa, que é executado desde o ano de 2014 como um projeto de extensão universitária, tem como objetivo abordar com os estudantes a temática de enfrentamento à violência contra a mulher sob a perspectiva de gênero. Para isso, são trabalhados com os acadêmicos análise da Lei Maria da Penha, identificação dos avanços e desafios da rede de atendimento à mulher, entre outras temáticas.

A secretária executiva da SMPM, Maria Helena Santos, destacou que o Laboratório só tem a agregar ao conhecimento dos estudantes e professores, contribuindo bastante para o avanço do enfrentamento à violência contra as mulheres.

“O programa evoluiu bastante desde que foi implantado, hoje podemos considerá-lo um exemplo para a cidade de Teresina e para outros estados. Que possamos expandir ainda mais o Laboratório, com muita pesquisa, estudo, para continuarmos levando esse conhecimento sobre esse tema tão importante”, pontua a secretária executiva.

Segundo a coordenadora laboratorial da instituição de ensino CESVALE, Layza Maciel, a experiência de participar do programa possibilitou um esclarecimento maior sobre a realidade das mulheres.

“Tive a oportunidade de estar do outro lado, porque eu tinha muito pouco contato com as pessoas que tinham sido vítimas, então conhecer de perto essa outra realidade abre muito a nossa mente. Eu posso dizer que cresci muito como profissional e como pessoa durante o programa. Ministrei a disciplina englobando a Lei Maria da Penha e isso despertou muito a curiosidade dos alunos, pois é uma causa muito importante”, finalizou a coordenadora.

Durante a solenidade de entrega dos documentos, receberam certificação as seguintes instituições de ensino superior: CESVALE, CEUPI, FACID, FAEPI, FAETE, ICEV, UFPI, UNINASSAU e UNINOVAFAPI.

SMPM reúne secretarias que irão prestar serviços no Amor de Tia Sul II

Neste mês de setembro, a Prefeitura de Teresina fará a entrega da primeira unidade da zona rural do Serviço Amor de Tia, que atenderá mulheres em situação de vulnerabilidade ou violência, acolhendo também suas crianças. Para isso, foi realizada nesta terça-feira (08), uma reunião de alinhamento técnico com representantes das secretarias municipais que irão promover ações de forma conjunta dentro do serviço.

O Amor de Tia Sul II, localizado no Povoado Salobro, foi projetado para atender 100 mulheres e 100 crianças, nos turnos manhã e tarde. Além de trabalhar o empoderamento feminino, o serviço envolve diversas políticas, como saúde, assistência social e o componente econômico.

Para a Secretária Executiva da SMPM, Maria Helena Santos, o momento de inauguração da nova unidade marca a efetividade de expansão do Serviço Amor de Tia na cidade de Teresina e contar com  parcerias e novas atividades é sempre muito importante.

“Sempre tivemos em mente essa ideia de expandir o serviço para mais mulheres e agora isso se efetivará mais uma vez. Essa unidade na zona rural vai ser trabalhada com um olhar diferente, ela tem uma característica diferente da zona urbana, então requer um olhar específico, e agregar outras secretarias com novas propostas é sempre válido e bastante relevante”, destaca.

A unidade da zona rural contará com uma novidade, a academia popular. “O espaço será destinado ao atendimento às mulheres, com o objetivo de trabalhar a autoestima, estimular o bem-estar e uma melhor qualidade de vida”, pontua o secretário executivo da Semel, Francinélio Ribeiro. Ainda, segundo o mesmo, a academia também ficará aberta para a comunidade.

No momento inicial, por conta da pandemia será realizado apenas o monitoramento com as crianças, para as mães participarem das atividades oferecidas pelo serviço. Com as crianças, as atividades só serão iniciadas no espaço de acordo com o cronograma da Secretaria Municipal de Educação (SEMEC).

O Serviço da Prefeitura de Teresina, coordenado pela Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM), deve contar ainda com a parceria da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SEMEL), Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI) por meio do Centro de Referência e Assistência Social (CRAS), Secretaria Municipal de Educação (SEMEC), Fundação Wall Ferraz (FWF) e  Fundação Municipal de Saúde (FMS).

 

Alô Mulher Teresina – protagonismo feminino*

A plataforma Alô Mulher Teresina, central telefônica que oferece uma rede de serviço às mulheres em situação de violência e vulnerabilidade em Teresina, possui quatro eixos de atuação. Os atendimentos são voltados para a área de saúde mental, enfrentamento à violência, assistência social e protagonismo feminino.

Na área de protagonismo feminino, o serviço tem o objetivo de estimular uma maior independência financeira das mulheres, com foco no trabalho e no empreendedorismo. A ideia é promover uma autonomia socioeconômica das mulheres atendidas, para que sejam superadas as situações de vulnerabilidade e de risco que estejam inseridas.

Ao ser conduzida para o atendimento na área de protagonismo feminino, a mulher é encaminhada diretamente a um ramal que direciona ao Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), onde será realizada uma orientação em caso de desemprego. No mesmo ramal, também é oferecida orientações sobre cursos de capacitação como gestão de trabalho, gestão financeira, fluxo de caixa, entre outros.

O segundo ramal de atendimento da área de protagonismo feminino é o de financiamento, voltado para mulheres microempreendedoras. Os atendentes oferecem toda uma orientação às mulheres que buscam um financiamento para abrir o próprio negócio e não sabem como proceder.

Para ter acesso ao serviço, as mulheres devem entrar em contato através do número 0800 033 0302. Os atendimentos são realizados das 8h às 20h, todos os dias da semana, inclusive aos finais de semana.

Setembro Amarelo: Alô Mulher Teresina possui serviço de assistência a saúde mental para as mulheres

Setembro chegou! E com ele veio a campanha de conscientização e prevenção ao suicídio, o “Setembro Amarelo”. De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e o Conselho Federal de Medicina (CFM), 96,8% dos casos de suicídio estão relacionados a transtornos mentais. Os casos notificados estão ligados à depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias. Na tentativa de reduzir e prevenir esses números, foi criada no Brasil, no ano de 2015, a campanha “Setembro Amarelo”.

Ao longo de todo o mês de setembro, são realizadas em todo o Brasil diversas atividades e ações de conscientização sobre o tema. A campanha reforça a importância de debater sobre os problemas de saúde mental, encorajando as pessoas que estão passando pelo problema, a falar sobre o assunto e o mais importante, buscar ajuda!

O Grupo OPT apoia a campanha do Setembro Amarelo e assegura a importância de incentivar políticas efetivas de prevenção ao suicídio. Através da plataforma Alô Mulher Teresina, o grupo presta serviços de atendimento às mulheres nas áreas de enfrentamento à violência, assistência social, protagonismo feminino e saúde mental. No último levantamento realizado, o atendimento na área de saúde mental foi o segundo mais procurado, com 25% das ligações recebidas pela central. O serviço está disponível todos os dias, inclusive nos finais de semana, das 8h às 20h, por meio do número: 0800 033 0302. Não se cale, busque ajuda!

Mulheres relatam como romperam ciclo de violência em evento virtual nesta sexta-feira (28)

Como parte da programação do Aniversário de 168 anos de Teresina e em alusão ao Agosto Lilás, o Centro de Referência Esperança Garcia promove a IV edição do “Colóquio Vozes: rompendo silêncio da violência contra a mulher”. O evento será realizado virtualmente pela plataforma Google Meet, nesta sexta-feira (28) a partir das 11h.

O momento servirá como um espaço para relato de experiência das mulheres em situação de violência atendidas pela Rede, reforçar o fortalecimento do fluxograma de atendimento, além de possibilitar uma reflexão sobre a assistência oferecida.

Durante a atividade, cinco mulheres terão alguns minutos para compartilhar suas histórias de enfrentamento à violência, o que as encorajou a procurar ajuda e como conseguiram superar a situação vivenciada.

De acordo com a gestora da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM), Macilane Gomes, o Colóquio é um espaço de protagonismo para as mulheres, que a partir do acesso aos serviços da Rede de atendimento, conseguiram romper o ciclo da violência.

“É um momento de voz para essas mulheres, oportunidade em que elas poderão relatar como estão se sentindo, como foi todo o processo que vivenciaram, toda sua experiência. Através Colóquio podemos perceber como essas mulheres encorajam outras e como elas vêem a própria atuação da Rede. Dessa forma elas acabam contribuindo para melhorar cada vez mais esse trabalho. É um momento ímpar”, declara a secretária.

Segundo a Coordenadora do Centro de Referência Esperança Garcia, Roberta Mara, as mulheres terão oportunidade de relatar como estão sendo atendidas pela Rede, e assim contribuir para o aperfeiçoamento do serviço.

“Cada ano percebemos que ele fortalece mais ainda essa relação entre as instituições, pois é uma avaliação que a própria mulher faz sobre o atendimento que está recebendo. Esses relatos possibilitam, que nós enquanto instituições, melhoremos cada vez mais o trabalho realizado com elas”, explica Roberta Mara.

O Centro de Referência Esperança Garcia é um órgão vinculado à SMPM e acolhe mulheres em situação de violência doméstica e familiar na cidade de Teresina, com orientações nas áreas social, jurídica e psicológica. Por ocasião da pandemia do novo coronavírus, o atendimento está sendo realizado de maneira remota através do número: 0800 033 0302 (Alô Mulher Teresina), nos turnos manhã e tarde, e também aos fins de semana.

Terceira turma de agentes municipais são capacitados para atuar na Guarda Maria da Penha

Iniciou nesta segunda-feira (24), a capacitação da terceira turma dos agentes da Guarda Civil Municipal de Teresina (GCM) que irão atuar no atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica, acompanhadas pela Guarda Maria da Penha. A atividade tem como objetivo instrumentalizar os agentes para a atuação através da perspectiva de gênero, visando ampliar as ações de enfrentamento a violência e a rede de atendimento às vítimas.

O treinamento está sendo realizado no auditório da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e será ministrado ao longo de toda a semana, nos turnos manhã e tarde. Nesta terceira turma, serão capacitados 20 guardas municipais, mas a expectativa é que o curso prepare mais de 180 agentes somente neste ano de 2020 para atuar no atendimento especializado às vítimas.

A gerente de Enfrentamento à Violência da SMPM, Lidiane Oliveira, explica que o curso é mais uma ferramenta para ampliar o conhecimento dos agentes que irão atuar na Guarda Maria da Penha e destaca ainda algumas das abordagens que devem ser  trabalhadas com a nova turma.

“O curso é dividido em módulos. Iniciamos com a discussão de gênero, passando pelo panorama da rede de enfrentamento à violência contra as mulheres, onde abordamos a própria Lei Maria da Penha como mecanismo de proteção a essas mulheres. É uma semana cheia de novidades, buscamos trabalhar sempre de uma forma participativa, tentando provocar uma reflexão sobre o tema para desnaturalizar o fenômeno da violência”, explica Lidiane Oliveira.

Para a agente Willyara de Sousa Silva, que compõe a terceira turma de capacitação da Guarda Maria da Penha, a preparação é fundamental, pois aborda diferentes perspectivas de trabalhar o enfrentamento à violência contra às mulheres.

“O ideal seria que todas as pessoas passassem por um curso desses, pois nos possibilita uma visão diferenciada do que acontece no nosso dia a dia. É muito gratificante estar aqui e participar desse treinamento, as informações são passadas de maneira clara e objetiva, ou seja, de fácil entendimento”, destaca.

O projeto da Guarda Maria da Penha iniciou ainda este ano e tem a missão de acompanhar mulheres em situação de violência por meio do monitoramento de medidas protetivas, através de uma equipe exclusiva. A quarta turma de capacitação está prevista para iniciar no mês de setembro, com mais 20 agentes da Guarda Civil Municipal de Teresina.